das coisas (né?).

Era Ana, Pedro, era Ana a minha fome (…), era Ana a minha enfermidade, ela a minha loucura, ela o meu respiro, a minha lâmina, meu arrepio, meu sopro, o assédio impertinente dos meus testículos.

Raduan Nassar em Lavoura Arcaica.

porque só quem já teve a experiência da idéia do amor é que sabe como é tudo isso. é que sabe que o amor não é uma flor, mas todos cheiram porque é isso que as pessoas fazem: pegam, cheiram, provam.

e eu já peguei no amor. peguei com as pontas dos meus sensíveis dedos. hoje eles não sentem mais nada.

e eu cheirei o amor. cheirei porque parecia ser bom de cheirar, parecia ter boa fragrância, porque cheiros bons são bons. e nunca mais senti cheiro nenhum depois dele, pois me destruiu cada uma das cem milhões de células olfatórias.

e eu provei do amor. o amor, quando provado é como um sushi de baiacu, se não for preparado com cuidado, pela pessoa certa, causa dor e morte. pode ser o último prato de sua vida ou pode ser o melhor que você jamais provará.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para das coisas (né?).

  1. nelson disse:

    quantas vezes pode um imortal morrer?

  2. Tatii disse:

    o amor, quando provado é como um sushi de baiacu
    AUHAUHAUHAUAHAUHAUHA
    me acabando aqui véi com isso, sério, ia comentar q raduan é foda, que esse trecho é um dos meus preferidos, mas deixa pra lá, a do suchi foi demaaaaaaaaaaaais.

    muuuuuuito melhor que meg cabot! kkkkkkkkkkkk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s