Há três dias.

ele havia feito de tudo. tido filhos, plantado árvores, escrito livros. havia deitado com homens e mulheres, mas a vida inteira só amara mulheres. elas dominavam seus pensamentos desde a mais tenra idade. lembrava de sua primeira mulher, a primeira que amou fora do círculo familiar – não, não falamos de incesto por aqui, falamos simplesmente da primeira paixão juvenil – a primeira que o fez ver o quão lindas são todas elas e o perigo que há em cada um de seus traços, o caminho sem volta de suas curvas, os doces pecados escondidos por baixo de seus panos. foi com ela que ele descobriu que o sabor quente da saliva tinha um preço alto, caro demais para ser pago sem dor. foi com ela que ele se tornou parte da humanidade, um homem de verdade, pois ela quebrara seu coração pela primeira vez.

depois daquilo, passou algum tempo procurando consolo em outras pessoas. qualquer pessoa disposta a dizer-lhe que tudo estaria bem logo, que o melhor a fazer é esquecer, que ela não era certa para ele servia-lhe bem. gostava do consolo das pessoas. gostava de aliviar-se com os corpos das pessoas. gostava do suor, dos cheiros, dos fluidos. gostava de tudo daquilo até que aquilo tudo deixou de fazer sentido para ele. até que ele passou a perceber que o que realmente gostaria era estar com pessoas que o tratassem bem. percebia que quando estava daquele jeito, as pessoas que realmente se importavam não existiam, que todas elas só desejavam possuir seu corpo, só queria que as possuisse. sentia que aquilo não era certo.

depois de corpos diversos, apaixonou-se novamente por uma bela mulher. olhos como mel, cabelos negros como a noite e pele branca como areia. por muito tempo pensou que fosse a mulher da sua vida. aquela que o faria querer um dia a dia. mas ele estava errado. ela nunca precisou dele. ela nunca o amou de verdade.  ela só o desejava. era apenas paixão. e não tem como manter o amor quando do outro lado só se tem paixão.

então, mais uma vez ele entrou na rotina de copos e corpos. as orgias que fazia para esquecer só poderiam ser comparadas às oferecidas ao deus baco, ou coisa que o valha. o álcool regava corpos na escuridão, a sombra nunca escondia o que deveria, havia ali sempre o desejo de ser algo mais, o desejo de todos juntos serem um ser só. mas ele nunca se sentiu assim. no meio de membros alheios, entre pernas de voluptuosas mulheres nuas, ele não sentia nada. ele era o vazio que impedia todos de serem um só. ele sabia disso. sabia disso como sabia que se caísse, a culpa não seria de ninguém além da gravidade.

então ele resolveu que não iria mais se apaixonar. que a vida seria do jeito que deveria ser: sem amores. seria saudável. não fumaria, não beberia, não se arriscaria no sexo ou no amor. teria mulher, filhos e todas as coisas que deveria ter para ser completo. não precisava de amor para isso. tantas e tantas famílias por aí se sustentam bem sem o amor. tantos filhos crêem que seus pais se amam apenas porque dormem juntos, porque conversam, porque o criam. ele iria viver de ilusões agora. ilusões de que tudo estava completo, que amava.

mas há três dias se trancou neste quarto de hotel. há três dias acoplou o silenciador na arma. há três dias não escreveu nota nenhum de despedida. há três dias está apodrecendo no canto de um quarto escuro com um tiro em sua cabeça. há três dias ninguém tem procurado por ele. sua mulher está na frança a negócios. seus filhos estão na faculdade, todos os três. ele sabia o que tinha vivido. viveu o que todos vivem: uma vida. escolheu vivê-la de uma forma que poucos tentam: sem amor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Há três dias.

  1. Tatii disse:

    gostava do consolo das pessoas. gostava de aliviar-se com os corpos das pessoas. gostava do suor, dos cheiros, dos fluidos.

    – muito massa

    ele era o vazio que impedia todos de serem um só. FODAAAAA

    =) gostei.

  2. diogo disse:

    não diria que são poucos, mas muitos tentam viver sem amor…
    ficou massa, man!

  3. carol disse:

    faço minhas as palavras da Tati.
    Muito foda!
    Beijos primo!

  4. nelson disse:

    há três dias…

    ficou foooooooodaaa!!!

    mermão!!!

    acho q poucos tentam conscientemente.

    ficou foda!

  5. Pablo Casado disse:

    Revi o filme ontem, bicho! Continuou intacto e impactante.

    Eu vou reler meu Longo Dia das Bruxas… assim que eu descobrir em qual caixa ele está. =/

  6. naneehss disse:

    há três dias não escreveu nota nenhum de despedida.

    foda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s