Coveiro.

as lágrimas desciam dos olhos acompanhando as curvas de seu rosto, descendo pelas bochechas até se encontrarem no traço que fazia seu queixo. nunca havia percebido o mal que eram aquela caixas de madeira. elas nunca pareceram tão ruins como agora, antes eram inofensivas, nunca pareceram com o que realmente eram.

não havia música, não havia tiro, não havia aplauso, não ali. ali não tinha um mundo, os pássaros não voavam e os sons das asas que levavam todos embora era um eco distante. era ali que o mundo se acabava e quem continuava eram os outros, aqueles que não eram o mundo, aqueles que não significavam absolutamente nada. naquele lugar só havia lugar para as lágrimas. incontidas, incontáveis, incontíveis. naquela tarde de terça o pôr do sol não queria ser pôr do sol.

as flores, cortadas e jogadas sobre o solo formando um arranjo belo, estão mortas. nada dura muito tempo naquele cinzento campo verde, logo todos serão nada, todos serão o que sempre foram e o que sempre serão. logo tudo o que seremos será o que sempre fomos e o que somos passará. logo, não haverão dias ou noites ou chuva ou seca ou frio ou calor. logo, as lágrimas secarão, os olhos secarão, as órbitas secarão. logo não haverá um eu para você ou um você para mim. as palavras nunca existiram, essas palavras nunca existirão. nunca serão ditas. as luzes serão apagadas e a festa acabará. as festas sempre acabam.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

8 respostas para Coveiro.

  1. Marden disse:

    É. Elas sempre acabam.

  2. Tiago (Bolusko) disse:

    que triste

    =/

  3. diogo disse:

    é… todo carnaval tem seu fim…
    mas ei man, e aquela história de que a festa tem que continuar? ahuahuahauahu
    ficou massa. o/

  4. carol disse:

    tbm achei triste
    mas é a verdade

    e aqui, de fundo tinha, Téo e a Gaivota do Camelo
    ;~

    ;* primo!

  5. nelsonnetto disse:

    “naquela tarde de terça o pôr do sol não queria ser pôr do sol.”

    além de foda é terça!

    “nada dura muito tempo naquele cinzento campo verde, logo todos serão nada, todos serão o que sempre foram e o que sempre serão. logo tudo o que seremos será o que sempre fomos e o que somos passará.”

    “as palavras nunca existiram, essas palavras nunca existirão. nunca serão ditas.”

    foda.

    força e honra, man!

    ||
    mermão! isso ficou irado! tentei escrever aqui o q eu achei mas devido a pressa também não deu muito certo. ficou meio inintendível.

  6. Pablo Casado disse:

    Muito bom.

    E fazia tempo que eu não comentava por aqui. 😉

  7. Lah disse:

    é, foi triste =~~

    =***

  8. Tatii disse:

    vigi maria que tristeza.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s