um cara entra no bar…

um cara entra no bar. cabelos raspados, olhos e pele escura. alto, roupas largas, pretas – mas não aquele preto de que já foi usado por tanto tempo que não é mais preto, mas cinza – era preto mesmo. ele caminha pelo bar, passa pela fumaceira de cigarro e senta sozinho no canto escuro. o garçon vai até ele que, nas sombras, pede que lhe traga um copo de wihsky sem gelo. todos olham para ele tentando imaginar o que aquele cara estranho, de traços fortes e duros, faria. mas ele não faz nada.

um cara entra no bar. franzino, magro como se precisasse comer urgentemente ou desmaiaria. o homem era pele e osso, parecia pequeno e frágil, do tipo que se pensa que com um vento mais forte irá desmontar. veste trapos marrons, caminha até o homem que já toma a dose da bebida pedida, aperta a mão livre dele – a mão do homem sentado parecia devorar a sua – e senta ao seu lado. chama o garçon e pede um prato de macaxeira com charque. todos olham para ele esperando que fosse morrer subitamente, que a qualquer segundo respirar seria um esforço demasiado grande para ele.

um cara entra no bar. ao avistar os dois homens na mesa, solta um sorriso amarelo. o aspecto desse homem deixa as pessoas no bar se sentirem mal, ele parece ter todas as doenças do mundo ao mesmo tempo. o sorriso dele é amarelo, seu cheiro lembra o de hospitais sem infra estrutura, onde centenas de pacientes são postos no chão e no corredor. ele veste branco e tem uma postura confiante que não combina com sua aparência. parece um homem rico usa óculos escuros de noite, se ele tirasse, todos veriam olhos vermelhos devido à conjuntivite.  seu rosto apresenta ulcerações na bochecha e rachaduras nos lábios. caminha até os dois homens, senta ao lado deles sem trocar uma palavra. com as mãos cheias de anéis dourados, tira um pedaço da macaxeira e do charque do homem que começava a comer. o homem negro toma sua segunda dose de whisky, dá uma olhada para o homem de branco, um olhar que diz: “toque meu copo e eu corto a tua mão”. o homem magro deixou o prato de lado, enojado.

um cara entra no bar. e não havia mais ninguém para contar coisas sobre ele. e não havia mais nada para vê-lo sentar com os outros e conversarem até o fim dos tempos.

quatro caras entraram num bar e mais ninguém sai.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

6 respostas para um cara entra no bar…

  1. diogo disse:

    “um cara entra no bar. cabelos raspados, olhos e pele escura. alto, roupas largas, pretas – mas não aquele preto de que já foi usado por tanto tempo que não é mais preto, mas cinza – era preto mesmo”
    quem seria?! hauahuahuahauahuahu
    ficou foda, man!!

  2. Lah disse:

    “you can check out anytime you like
    but you can never leaaveeee!

    (solo de guitarra)

    mtoo mtoo bom pv ;D

    =***

  3. carol disse:

    gostei dos detalhes!
    ;D

    ‘mtoo mtoo bom’ [2]
    beijos primo!

  4. nelson disse:

    saquei!

    mto foda!

    total!

    força e honra, man!

    ||

  5. Bolusko disse:

    he he me fez lembrar Onde os fracos nao tem vez!

    flw pi

  6. Tatii disse:

    =O
    que psicodelico!
    gostei!

    fiquei rindo aqui com cheio de hospital sem infra estrutura ahahauah

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s