jambo.

os lábios dela eram vermelhos e tinham gosto de jambo. jambo desses que em dezembro caem dos pés e enchem as calçadas de manchas roxas, jambo desses que vendem aos montes nas esquinas, nos sinais, jambo desses que é mais fácil de encontrar – e de comprar – que pão. mas eu nunca provei um jambo tão bom quanto ela. e por vezes eu me peguei pensando se eu mordesse bem forte, morder para arrancar pedaço, sua carne seria branca, apenas recoberta por uma fina pele vermelha que sangraria um fino fio que tingiria parte do branco, formando manchas rosas naquela suculência esbranquicada. às vezes eu falava para ela disso, do seu gosto de jambo, e ela só ria. me chamava de louco e ria. às vezes ria e perguntava se era de jambo branco e eu dizia sério: “não, do vermelho.” e ela se punha a rir ainda mais e falava que se fosse do branco tudo bem, já que não tinha gosto. mas cada um deles tinha seu gosto. e ela era vermelha, eu tinha certeza.

os lábios dela tinham esse gosto que me lembrava minha infância e era por isso que eu gostava tanto de beijá-la. ela lembrava os tempos que nunca mais terei, me fazia pensar em toda a felicidade de antes e na de agora e ela sempre me fazia pensar no amanhã. havia algo naquela mulher…algo que me lembrava tardes de sábado, pratos de alumínio e caroços, algo que eu não sabia, não sei, nunca saberei explicar. só sei que não importava qual era a hora do dia, se era manhã logo depois de me dar um caneco cheio de chá preto (porque ela não tomava café e, por essas e outras, o meu café foi ficando cada vez mais de lado e, sinceramente, eu não ligava tanto assim.) e me beijar com sua boca que, de acordo com todas as normas do mundo, deveria ter o gosto de hortelã dos cremes dentais. eu não conseguia não pensar em outra coisa quando aqueles lábios tocavam os meus e seu gosto saltava na minha língua. cada um ia para seu lado todo dia. e, todo dia, quando voltávamos para nosso próprio lado, era o gosto de jambo que eu queria sentir na hora da janta, depois da janta, a toda hora.

jambo era a fruta da estação.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

3 respostas para jambo.

  1. nelsonnetto disse:

    “mas eu nunca provei um jambo tão bom quanto ela.”

    por melhor q tenha sido, foi só uma estação…

  2. Lah disse:

    poooxaaaa!
    eu gostei tanto desse!
    um dos preferidos esse agora =D

    “e por vezes eu me peguei pensando se eu mordesse bem forte, morder para arrancar pedaço”
    *.*

    =*

  3. Lud disse:

    tou dizendo… hei de ser o jambo de alguém 😡

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s