poeira.

meu quarto é podre. sobre tudo há uma camada de poeira, algumas finas, outras mais grossas, mas nada escapa: livros, roupas, sapatos, sandálias, a mesa, o notebook. há uma caixa de livros que tenho há um ano e meio: ela sofre; o livro sobre a juventude de stálin, com pouco mais de dois meses: sofre; meus livros de semiologia médica e os de fisiologia e anatomia sofrem; minhas xerox de capítulos de livros de epidemiologia, histologia, neurologia, psiquiatria sofrem, pedaços de atlas mostrando as veias do corpo humano em azul e as artérias em vermelho mostram-se acinzentados devido à grossa camada de poeira sobre eles e até mesmo o livro que estou lendo agora sofre com isso. meu violão, que eu não toco há meses, sofre, minha nécessaire recheada de cartas de magic sofre, a mochila que peguei emprestada de uma amiga há um ano para viajar comigo pela europa agora sofre com isso; meu guarda roupa, que só tem umas três calças dentro e um bocado de papel velho desde que a prateleira em que eu deixava dobradas as minhas camisas cedeu e nunca mais se encaixou, sofre; quando me penteio, uma camada de poeira passa dos dentes do pente para meus cabelos e quando coloco meus óculos para enxergar o dia vejo tudo através de uma camada de poeira que tento limpar imediatamente; os tubos de desodorantes e as caixas de perfume também não passam intocadas, acumulando sobre si poeira perfumada. quando ligo o ventilador, ele espalha toda a poeira dele sobre a poeira dos outros e a dos outros umas nas outras, numa mistura de poeiras que me lembra muito as translocações genicas que ocorrem nas meioses e são responsáveis pela variabilidade genética. às vezes, antes de dormir, deixo um copo d’água em minha mesa de cabeceira, quando tomo um gole dele ao acordar sinto a poeira descendo em minha garganta. vassouras e panos e aspiradores de pó parecerem não dar conta de toda a poeira e pó acumulados em meu redor. todas as coisas em minha vida se amontoam com o objetivo de criar poeira: uma fina camada que está sobre tudo o que toco ou já toquei. e tudo aqui dentro parece mais velho do que é, por causa dessa poeira acumulada, dessa sujeira quase sem fim, inclusive eu.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para poeira.

  1. Lah disse:

    Vou te dar um espanador!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s